O baile de máscaras

A Clarinha pede à mãe para a ajudar a preparar um baile de máscaras. Ela está super entusiasmada com o baile e convida todos os seus amigos.

A primeira a escolher a máscara é a Clarinha: quer ir de super herói. O cão Pedro decide ir de índio. O gato Matias quer, obviamente, ir de gato das botas. O pássaro João adora fantasmas, por isso a máscara está mais do que escolhida. Só a pata Joana é que não sabe o que vestir. Claro que todos lhe dão óptimas sugestões: princesa, palhaço, esquilo, doninha… Mas a Joana não quer nada e por isso decide não ir ao baile. Ora, sem a Joana a festa não vai ser tão divertido e isso sim, é um verdadeiro problema.

E quando há um problema, o que fazer? Juntam-se os amigos na clareira e tentam juntos resolver.

Todos voltam a fazer sugestões, mas acreditam que a resposta da Joana será a mesma. Desta vez parece mesmo que não vão conseguir dar a volta à questão.

O pássaro João, que tem sempre a solução, sugere então cada um levar qualquer coisa de que goste muito para emprestar à pata Joana. A ideia é estranha, mas decidem arriscar. Afinal de contas, não têm nenhuma ideia melhor.

No dia do baile, vão todos ter com a pata Joana, que está triste e não quer ir com eles. Então os amigos mostram-lhe o que trouxeram.

A coelha Clarinha dá à Joana uma capa de super herói. O cão Pedro dá-lhe um chapéu de índio. O gato Matias entrega-lhe umas botas magníficas, e o João umas tintas especiais que ela pode usar para pintas as suas penas.

A pata Joana, que inicialmente está triste, não consegue conter o riso e solta uma enorme gargalhada. Põe então a capa, o chapéu e as botas. E com a ajuda do pássaro João pinta as suas penas com muitas cores.

A pata Joana olha-se ao espelho e fica muito contente. Tem a máscara mais gira e original que alguma vez viu. Agradece aos amigos e lá vão todos, muito divertidos, para o baile da Clarinha.