A Clarinha quer andar no carrossel agora

Vai abrir um novo parque de diversões perto da casa da Clarinha, e ela mal pode esperar por andar no carrossel.

No dia da abertura, os cinco amigos reúnem-se à porta do parque logo de manhã bem cedo, pois querem ser os primeiros a entrar. Mas infelizmente não são os únicos a ter essa ideia. À entrada do parque a fila é enorme e parece não acabar.

Decidem ir para a fila, porque apesar de terem de esperar, a vontade de andar no carrossel é muita. Mas passados alguns minutos, a Clarinha começa a ficar impaciente:

– Estou farta de esperar. Não gosto de estar nesta fila.

– Clarinha, temos que esperar um pouco mais. Só podemos andar no carrossel se esperarmos pela nossa vez. – diz-lhe calmamente a pata Joana.

– Mas eu não quero esperar. Detesto esperar! – responde a Clarinha já um pouco irritada.

Apesar de não estar a gostar da situação, a Clarinha decide esperar um pouco mais. Mas novamente, passados mais alguns minutos, a Clarinha começa a ficar zangada:

– Não quero esperar. Não gosto de esperar. Quero andar no carrossel, agora!

Os amigos ainda tentam em vão acalmar a Clarinha, mas ela já não dá ouvidos a ninguém:

– Se não posso andar agora, então não quero andar. – diz a Clarinha, saindo da fila e dirigindo-se para a porta do parque.

Olham todos uns para os outros, sem saber muito bem o que fazer. E sem chegarem a dizer nada, saem da fila e vão atrás da amiga que entretanto já está a sair do parque.

A Clarinha está irritada e por isso nem ela nem os amigos andam no carrossel como tanto queriam.

E quando há um problema, o que fazer? Juntam-se os amigos na clareira e tentam juntos resolver.

Todos tentam acalmar a Clarinha antes de sugerirem soluções para o problema.

Quando finalmente a conseguem acalmar, a irritação dá lugar à tristeza:

– Nunca vou poder andar naquele carrossel. – diz a coelha Clarinha, sentando-se no chão, com as orelhas em baixo.

– Não fiques triste Clarinha. Hoje não estávamos à espera que a fila fosse tão grande, mas vais ver que amanhã estás com mais paciência e não te custa tanto esperar. – diz a pata Joana para a tentar animar.

– Não, vão vocês sem mim amanhã. Eu não aguento esperar tanto tempo na fila. – responde, completamente sem ânimo, a Clarinha.

Nesse momento o gato Matias e o cão Pedro resolvem dar algumas ideias:

– Podemos ir à volta e tentar passar à frente da fila. – sugere animadamente o gato Matias.

– Se pedirmos com jeitinho aqui e ali, de certeza que nos deixam passar à frente. Um de nós finge que lhe dói qualquer coisa e ninguém vai ser capaz de nos dizer que não. – diz, por sua vez, o cão Pedro.

A pata Joana não gosta muito das propostas do Matias e do Pedro, e tenta chamá-los à razão:

– Os outros também querem andar no carrossel, não é justo passarmos à frente. De certeza que não gostavam que alguém tentasse fazer o mesmo.

Nisto, o pássaro João, que tem sempre a solução, interrompe-os:

– Parem lá de inventar formas de passar à frente na fila. Não vamos fazer isso! A única solução é esperar pela nossa vez.

– Mas eu não quero esperar. Prefiro não andar no carrossel. – insiste a Clarinha.

– Mas esperar não tem que ser uma coisa má. – continua o pássaro João – só temos que arranjar coisas divertidas para fazer enquanto esperamos.

– Não há nada divertido para fazer. Não podemos sair da fila. – responde a Clarinha.

– Sempre nos divertimos juntos, não é uma fila que nos vai impedir. Podemos cantar, fazer jogos com adivinhas… confia em mim, não vai custar nada esperar. – conclui o pássaro João.

A Clarinha acaba por concordar e no dia seguinte, de manhã, lá estão novamente os cinco amigos prontos para ir ao carrossel.

Como seria de esperar, a fila não é mais pequena e a Clarinha, só de pensar o quanto vai ter que esperar, começa logo a ficar impaciente.

– Lembram-se do jogo de mímica que nos ensinou o Jeremias? Eu tento imitar um animal e vocês têm que adivinhar que animal é. – diz entusiasmado o pássaro João.

O jogo começa e passado pouco tempo todos estão divertidos a jogar. Seguem-se outros jogos e brincadeiras que os amigos vão sugerindo. Sem se darem conta do tempo a passar, rapidamente chega a vez de andarem no carrossel.

Que manhã fantástica! Nunca esperar numa longa fila foi tão divertido.